30.10.16

Musical - My Fair Lady


A louca dos musicais ataca novamente.

Na semana passada, fui assistir ao musical My Fair Lady, que conta a história do professor de fonética Henry Higgins, que faz uma aposta com seu amigo: a de que ele conseguiria transformar Eliza Doolittle, uma pobre vendedora de flores – e assassina da língua inglesa – em uma dama da sociedade.

Esse musical é baseado na peça de teatro Pigmalião, e em 1964 ganhou uma adaptação para os cinemas, com a Audrey Hepburn. Se a sinopse lhe soar familiar, é porque a novela Totalmente Demais foi inspirada na peça.

Eu adorei os figurinos, os cenários (tem um do salão do baile, que tem um lustre, quadros na parede e tudo, que foi o meu preferido) e principalmente a performance dos atores. Achei que todos estavam impecáveis, com destaque para o ator que fez o Henry Higgins – na minha sessão, o excelente Fred Silveira.

A Eliza é a personagem mais engraçada, o jeito dela falar e as aulas com o professor são o que mais me arrancaram risadas. Gostei também que a determinação dela para aceitar as aulas era mudar sua vida, ela queria falar corretamente para poder abrir uma floricultura.

O meu único problema foi com o Higgins, o personagem é super machista e é quase sempre rude com a Eliza. Não sabia o que sentir quando ele cantava, porque se por um lado eu adorava a voz do ator, estava difícil engolir a letra. Enquanto a Eliza evolui, se torna independente, o Higgins continua do mesmo jeito que começou.

Não consegui gostar do final, porque senti que houve um retrocesso com a personagem da Eliza, como se tivessem jogado fora a evolução da personagem até duas músicas atrás. :( Parece que esse final nem era o que o autor da peça original queria…

Ainda assim acho que valeu a pena conferir o musical pelo o espetáculo que é. A coreografia, o cenário, os atores, está tudo excelente!


18.10.16

Tag: Netflix


Vi essa tag há muuuito tempo em um blog, e aí como boa fã de séries e da Netflix, fiquei guardando ela até agora decidi pegar a tag e respondê-la também. :D

Quais são seus seriados favoritos para assistir no Netflix?
Algumas muitas séries originais, Orphan Black e Black Mirror!


Qual foi o último filme ou seriado assistido no Netflix? O que achou?
De filme eu vi “Hush – A Morte Ouve”, e eu esperava mais. É um suspense(terror?) que parecia ser promissor (é a história de uma escritora surda que mora sozinha, e um assassino quer invadir a casa dela) mas não foi bem desenvolvido, é meio repetitivo. :(


Se você pudesse escolher qualquer série, antiga ou nova para estar no Netflix, qual seria?



Chuck!  É uma das minhas séries favoritas, que já foi finalizada. E pelo tanto que eu chorei assistindo, nem parece que é uma série de comédia. Venho querendo o box das temporadas há um tempo, então se estivesse no Netflix já ia poder começar a  reassistir!


Qual a sua maior reclamação sobre o Netflix?
A demora para colocarem novas temporadas/séries.


Quais são seus itens essenciais para uma maratona no Netflix?
Pipoca, haha.


Você já assistiu alguma série original Netflix? Gostou?


Assisto 7: Black Mirror (Agora conta, né, gente? Esperando a 3ª temporada!), Demolidor, Jessica Jones, Luke Cage, Marco Polo, Sense8 e Stranger Things. Bom, Demolidor e Sense8 já são meus amores totais, e eu dou uma surtada toda vez que alguém fala delas, e se chegar muito perto capaz de eu já começar com uns “Assiste Sense8”, haha. Quando fui ver Jessica Jones, fui toda cheia de expectativas (depois de Demolidor, já estou sempre esperando grandes coisas da parceria Marvel/Netflix) e elas foram correspondidas! Comecei Luke Cage recentemente, e estou esperando ele mostrar a que veio. Nem tenho o que falar de Stranger Things, só que já tô sentindo falta daquelas crianças que viraram o xodó de todo mundo. E também assisto Marco Polo e acho meio triste que não tem tanta gente assistindo e eu não tenho com quem comentar. :(


Qual foi o último filme que você adicionou ao 'minha lista'?
Todos do Indiana Jones!


Qual sua indicação de filme ou série?
Assiste Sense8! Todas as séries originais que eu assisto, claro. Mas, recomendo fortemente Jessica Jones. A série realmente é boa, tem uma ótima protagonista, ótimas personagens femininas, além de um vilão que me deixou morrendo de medo! Posso falar de Sense8 de novo? Stranger Things também é ótima, me passou uma nostalgia que eu nem sabia que era possível sentir, já que não sou dos anos 80, e além disso é curtinha, dá pra maratonar numa boa. De filme, eu indico o super fofo Questão de Tempo!
 
 
E vocês, gente, quais são as suas indicações para assistir na Netflix?

8.10.16

Sequências literárias que me decepcionaram


Tem aqueles livros que você lê e falta só implorar por uma continuação. Tem outros que a continuação vem, mas você só queria poder viajar no tempo e ter os recursos necessários para impedir o autor de publicá-la. Esse post é para falar dos livros dessa última categoria.


P.S.: Ainda Amo Você – Jenny Han
Continuação de Para Todos Os Garotos Que Já Amei

Começando por aquele que me motivou a escrever esse post! Eu tinha gostado tanto do primeiro que fui correndo ler o segundo e quebrei a cara. A leitura se arrastou pelo mês todo! Eu, que achava a personalidade da Lara Jean uma das melhores coisas, só me decepcionei ao ver que ela virou um poço de insegurança - só sabia se comparar a Genevieve, a ex-namorada de Peter. Pra completar, a autora decide jogar pra escanteio um dos personagens que fazia parte do triângulo amoroso original, só para trazer outro personagem e criar outro triângulo amoroso! Genial. Esse livro se reduziu a drama totalmente desnecessário, a Jenny Han podia muito bem ter deixado o final do primeiro fechadinho e não ter escrito a continuação. Para a minha alegria, parece que ela ainda vai lançar um terceiro.

Quase Pronta – Meg Cabot
Continuação de A Garota Americana

Porque desde cedo a gente tem que aprender a lidar com as decepções da vida. A Garota Americana foi o primeiro livro que li da Meg Cabot, e na época era um dos meus favoritos, já o reli outras duas vezes. Lógico que eu tinha que ler a continuação! Então no alto dos meus 12 anos, fui ler Quase Pronta esperando mais das trapalhadas da Samantha (que ficou famosa por salvar o presidente dos EUA de um cara doido), quando me deparo com um livro onde a história toda gira em torno de sexo. É, o quase pronta do título é isso, ela decidindo se ia ou não transar com o namorado. Até me pergunto se lendo hoje eu não mudaria a minha opinião do livro (vai que era a minha cabeça de 12 anos), mas nunca surgiu o desejo de dar outra chance.

Crescendo – Becca Fitzpatrick
Continuação de Sussurro

Sussurro foi um livro que eu devorei em um dia e depois tive que aguardar ansiosamente pela continuação. Quando esta chegou, eu quis largar no segundo capítulo. Até hoje não entendo o que aconteceu com a Nora em Crescendo, ela fica tão infantil (“vou fazer algo perigoso para o Patch vir atrás de mim, mas quando ele chegar vou mandar ele ir embora”) e é tanta crise de ciúme que eu sinceramente quis entrar na história para auxiliar o vilão. Me obriguei a terminar o livro, e até me surpreendo com o fato de que eu li a série toda, pois essa pra mim é uma que devia ter tido só o primeiro livro (ainda que o 3º e 4º livro tenham sido mais suportáveis do que esse).

Palace of Treason – Jason Matthews
Continuação de Roleta Russa

Eu não esperava nada de Roleta Russa, mas foi um livro que me surpreendeu positivamente. Adorei todo o misto de suspense, espionagem (EUA vs Rússia) e romance. O suficiente para ler a continuação, mesmo em inglês. E aí veio a decepção. O livro não é tão ágil quanto o primeiro, tem muito mais enrolação, e eu acho que dei uma dormida em umas partes. Sei que tive que ler o final duas vezes, porque terminada a leitura eu não lembrava mais o que tinha acontecido (sintam como eu fiquei presa na história).

Menções honrosas

Depois de Você – Jojo Moyes
Continuação de Como Eu Era Antes de Você

Eu já falei desse aqui, mas é mais um pro time dos desnecessários. Eu esperava ver a Lou tocando a vida depois de Como Eu Era Antes de Você, e o que temos é drama e um pouco de enrolação.

Harry Potter and the Cursed Child – J.K. Rowling, Jack Thorne e John Tiffany
Continuação de Harry Potter

Esse é o roteiro, mas está sendo comercializado como a “8ª história”, então entra no quesito sequência. Já expressei a decepção, e digo que tem fanfics melhores por aí.

Então me contem, quais continuações que te decepcionaram?

1.10.16

A Luta por um Ideal


24 filmes para 2016Tema: Mulheres

A Luta por um Ideal
Dirigido por:
  Daniel Barnz
Elenco: Maggie Gyllenhaal. Viola Davis
Duração: 2h01
Gênero: Drama
Duas mães lutam por uma educação melhor para os seus filhos e contra a decadência da escola local. Elas vão precisar enfrentar a burocracia e corrupção para fazer a diferença no futuro de suas crianças. [TELECINE]

A filha de Jamie, Malia, tem dislexia e a escola não oferece o suporte necessário para que ela aprenda. Na escola pública, com professores desmotivados, a menina começa a sofrer bullying. É então que a mãe começa a procurar alguma forma de melhorar o ensino da filha. Quando se encontra sem opções, ela se alia a professora Nona, que também quer uma escola melhor para seu próprio filho, e juntas começam lutar para convencer os outros pais e professores de que eles podem tomar conta da escola, se desvinculando de um sindicato que não liga para os alunos.

As duas mulheres começam a luta motivadas pelos próprios filhos, mas ao longo do filme a causa se torna maior do que isso e é perceptível o desejo delas de melhorar a escola para todas as crianças. E elas encontram muitas dificuldades pelo caminho, é difícil trazer mais gente para o lado delas.

Mas não só de luta é feito o filme – tem cenas muito bonitas da relação delas com os filhos e foram essas que me emocionaram bastante. Também vemos um pouco da vida amorosa das duas: o casamento de Nona que chegou ao fim, e o início do romance de Jamie com Michael, um dos professores que fica muito em cima do muro com essa ideia dos pais terem controle sobre a escola.

Achei que tanto a Maggie Gyllenhaal quanto a Viola Davis (que é sempre incrível, gente) estavam muito boas em seus papéis. Ambas passam a força e a vulnerabilidade dessas mulheres! Nessas cenas mais sensíveis eu chorei junto com elas. Ainda tem o Oscar Isaac (o crush) no elenco, como o interesse amoroso de Jamie, mas o personagem dele tava tão indeciso que acabou me irritando um pouco.

Apesar do assunto ser sério, esse filme me passou uma vibe Sessão da Tarde. Aqueles filmes de superação, sabe? Mas foi ótimo para passar o tempo e ainda ficou uma mensagem positiva – que quando queremos uma mudança, temos que correr atrás!