26.4.16

Leituras de Abril


Se ano passado eu cheguei a ler mais de 50 livros, esse ano eu relaxei de um jeito que tá complicado. Mas estou tentando voltar com as minhas metas e consegui ler três livros esse mês.

Brooklyn – Colm Tóibín

Brooklyn foi um dos filmes mais fofos que eu vi recentemente, e desde a sinopse na orelha do livro já dava pra ver que o filme foi muito fiel em contar a história de Eilis, uma jovem irlandesa, que por falta de oportunidades de emprego em sua terra natal vai morar nos Estados Unidos.

O livro é dividido em quatro partes, e as duas primeiras tratam da mudança de Eilis e seu período de adaptação no Brooklyn. A narrativa é tão boa, que mesmo focando no dia-a-dia de Eilis eu leria mais umas cem páginas facilmente. Por mais cotidiana que seja, a história me prendeu!

Na terceira parte o Tony, namorado que ela arranja, é apresentado e com ele vêm os momentos românticos da história. A quarta parte trata da volta de Eilis à Irlanda, introduz o Jim Farrell – que já vem pra criar um triângulo amoroso –, além de ter o grande conflito: afinal, Eilis volta para o Brooklyn (e para o Tony) ou fica na Irlanda (com o Jim)?

E foi aí que eu encontrei a maior diferença entre o livro e o filme. Apesar dos dois terem o mesmo final, cada um dá margem a uma interpretação diferente sobre os sentimentos de Eilis. No livro a relação com o Jim foi mais desenvolvida, o que deu mais peso a escolha que ela deveria fazer. O final do livro ficou quase em aberto, mas senti que ela se decidiu por causa de certas ações (talvez até um pouco arrependida), enquanto que no filme o motivo foi outro e eles amarram as pontas em torno disso. Mesmo desfecho, diferentes motivações.

Gostei muito da protagonista, as vezes me identificava com algumas de suas ações, mas nem de longe ia querer estar em sua pele e ter que decidir entre os dois rapazes e os lugares. Adorei a história e quando acabou fiquei querendo ler mais. ♥

 

O Duque e Eu – Julia Quinn

Muita gente fala dos romances de época e principalmente dos livros da Julia Quinn, eu nunca tinha lido nenhum da autora até então e decidi dar uma chance, com o primeiro livro da série Os Bridgertons. Além disso, é uma história onde o casal finge namorar – uma ideia de Simon para escapar de todas as moças solteiras que viam nele um possível marido, a qual Daphne concorda, pois esperava atrair mais pretendentes com a farsa. Não é preciso muito pra adivinhar no que que isso vai dar, né? E eu não nego que gosto dessas histórias clichês.

O que eu esperava do livro é que ele fosse uma leitura leve, só para passar o tempo, e isso ele cumpriu. Mas tiveram coisas que me incomodaram – como a constante afirmação “oh, a Daphne é a única moça que é legal, todas as outras são insuportáveis”, uma cena que beira o estupro, além de uma sensação geral de “sinto que não era bem assim que as pessoas se comportavam naquela época”.

Isso não significa que eu odiei o livro, ele só não me surpreendeu, mas teve os seus momentos engraçadinhos, os de romance… Fiquei até interessada nos irmãos da Daphne, já que cada um deles é protagonista de uma história – os demais livros da série. Não descartaria a possibilidade de continuar acompanhando Os Bridgertons, mas a série não é uma prioridade.

 

O Orfanato da Srta. Peregrine Para Crianças Peculiares – Ransom Riggs

Meu conhecimento sobre esse livro se restringia ao trailer do filme. Mesmo sem ter visto a sinopse, ou lido resenhas, sabia que a reação das pessoas eram positivas e isso me motivou a querer ler.

Agora que já o terminei, acho que é até difícil resumir toda a aventura de Jake. Ele cresceu ouvindo seu avô contar histórias sobre uma vida no orfanato com as tais crianças peculiares – uma super forte, outra que voa, e por aí vai. Mesmo o avô mostrando fotografias, as histórias dele são vistas com descrença. Não demora muito até que um triste acontecimento faça com que Jake vá investigar, ele acaba indo até a ilha onde o orfanato era localizado, e aí é só questão de tempo até ele ver que o avô falava a verdade.

As fotografias (sinistras!) foram base para o livro e foram recolhidas de colecionadores. Gostei do efeito delas, como ajudavam a compreender melhor a narrativa, e não só na questão de que era melhor para visualizar o que estava sendo descrito, mas elas também auxiliaram na transmissão de certos sentimentos  –  o texto não me deixou com medo, mas certas fotografias sim!, não recomendo a leitura de madrugada, haha.

Achei o começo do livro um pouco lento, mas não chato, e foi bom não ter sentido vontade de abandoná-lo porque adorei a reviravolta no final. Agora um dos pontos negativos é que o autor quis mexer com o tempo e, pelo menos pra mim, não deixou as coisas bem explicadas, tive que ler algumas coisas de novo para evitar o nó que isso dá na cabeça.

Não diria que amei o livro, mas é interessante sim – as fotografias são um grande atrativo – e me deixou curiosa para ler a sequência. Também espero que o Tim Burton tenha feito um bom trabalho na adaptação. :)

 

E vocês, leram bastante esse mês? Já leram algum desses livros?

8 comentários:

  1. Os dois últimos eu tenho muito interesse em ler. Um porque me lembra muito Orgulho e Preconceito, e eu amo essa história; já o outro porque ultimamente tenho ouvido maravilhas sobre essa história, principalmente por conta do lançamento do filme <3 Um beijo : *

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu até gostei de O Duque e Eu, mas achei que passou longe de Orgulho e Preconceito. :/ Agora O Orfanato da Srta. Peregrine é bem interessante, também fui ler por conta do filme.

      Beijos!

      Excluir
  2. Ler mais de um livro por mês virou luxo para mim. Fiquei feliz que você conseguiu retomar um pouco do seu ritmo de leitura, ainda estou tentando, mas só tentando mesmo.
    Brooklyn tanto o filme como o livro parecem ser a coisa mais fofa, já coloquei ambos na lista de ler/assistir; agora com romances de época escritos na atualidade tenho um pé atrás, me parece que nunca vão conseguir reproduzir com fidelidade e coerência os modos da época; e o livro do orfanato sempre me despertou curiosidade e o trailer do filme só me deixou com uma incógnita maior sobre o enredo, estou curiosíssima!

    Beijos, Le.

    Refração Cultural

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa sorte, Le, é realmente difícil mesmo manter o ritmo! E Brooklyn é isso mesmo, não tem um graande acontecimento, mas é fofo, haha. E eu sinto o mesmo lendo esses livros de época (exceto os que foram escritos na época, como Orgulho e Preconceito) - em alguns nem tanto, porque dá pra ver que a autora fez uma boa pesquisa, mas em alguns eu fico com essa sensação de que não era bem assim...

      Beijos!

      Excluir
  3. Estou lendo bastante até esse ano, ano passado que eu relaxei total. Estou querendo muito ler esse O Orfanato da Srta. Peregrine Para Crianças Peculiares – Ransom Riggs, queria ver antes do filme!

    Beijos
    http://orangelily.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também tenho dessas de ler antes de ver o filme, pelo trailer vi que vão mudar bastante coisa, mas acho que vai continuar bom.

      Beijos!

      Excluir
  4. Todo mundo lendo Júlia O Duque e Eu, menos eu :/ Minha amiga leu e amou, mas parece que não aconteceu o mesmo com você, né? O Orfanato da Srta. Peregrine Para Crianças Peculiares (que nome GRANDE mds) é o livro que mais estou desejando ler no momento, essa coisa meio de suspense me chama bastante a atenção... Eu ainda não conhecia nem o livro nem o filme Brooklyn, mas pelo visto a história é bem fofinha, vou tentar encontrar o filme :)
    Em abril infelizmente li pouquíssimos livros, A culpa é das estrelas está entre eles, finalmente. Assim como a maioria do publico que curte um romance eu gostei. A escola está me sufocando, ainda vem pela frente os vestibulares... Enfim, é isso. Beijos ♥

    www.quetransborde.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente, não rolou aquele amor por O Duque e Eu, mas o livro não chega a ser ruim não, pode ler, haha.
      Fico feliz que você tenha gostado de ACEDE, é um dos meus livros favoritos! E a correria, infelizmente, não deixa a gente ler tanto quanto gostaria, né? Eu entendo!

      Beijos!

      Excluir