31.1.16

Ex Machina


24 filmes para 2016Tema: Independente

Ex Machina
Ex Machina: Instinto Artificial
Dirigido por:
Alex Garland 
Elenco: Domhnall Gleeson, Alicia Vikander, Oscar Isaac
Duração: 1h48
Gênero: Ficção científica

Caleb (Domhnall Gleeson), um jovem programador de computadores, ganha um concurso na empresa onde trabalha para passar uma semana na casa de Nathan Bateman (Oscar Isaac), o brilhante e recluso presidente da companhia. Após sua chegada, Caleb percebe que foi o escolhido para participar de um teste com a última criação de Nathan: Ava (Alicia Vikander), uma robô com inteligência artificial. Mas essa criatura se apresenta sofisticada e sedutora de uma forma que ninguém poderia prever, complicando a situação ao ponto que Caleb não sabe mais em quem confiar. [FILMOW]

Imagine que você está preso em uma casa cuja única via de acesso é por helicóptero, sem nenhuma forma de contato com o mundo exterior, na companhia de um cara barbudo muito suspeito e de suas criações – robôs com inteligência artificial.  Eu ia sair correndo para as colinas, mas o Caleb é mais corajoso e se sujeita a essa situação.

Com toda essa combinação aí, Ex Machina me prendeu de uma forma que eu sequer vi o tempo passar. E me deixou com aquela aflição constante de “Alguma coisa vai dar errado…”.

Gostei bastante do filme. Sendo sobre inteligência artificial, não é uma daquelas histórias que “ah, tem um robô aqui, ok” que a gente só aceita, o filme nos faz refletir. Ava é uma máquina, consciente de sua própria existência. Mas como devemos reagir? Devemos tratá-la como pessoa ou máquina? É que nem a pergunta que a própria personagem faz “O que acontecerá comigo se eu falhar no seu teste?”. É para sentir pena pelo o que será feito com ela – algo com consciência, capaz de entender o que está acontecendo – ou indiferença, afinal, ela é um robô? Eu senti que esses questionamentos eram apresentados pelo Caleb e pelo Nathan – esse último, por ser o criador de Ava, não se compadecia tanto por ela. Mas claro que é Ava que rouba toda a cena – e me fez ficar mais perdida e aflita que o próprio protagonista, porque não sabia de que lado ficar.

Esse foi um daqueles casos que eu fiquei surpreendida com o final, mesmo que depois, tendo parado para avaliar, era até certo ponto previsível. Como eu falei ali em cima, desde o começo eu já tinha a sensação de como ia acabar, mas não realmente sabia o que os personagens fariam e foram essas ações que me surpreenderam. Pra falar a verdade, fui muito ingênua nas minhas previsões de final, haha.  Mas ainda assim não me decepcionei, senti que tudo se encaixou e fez sentido, até em justificar o título do filme.

Para concluir em um comentário que pode conter um leve spoiler – se me pedissem para fazer uma sinopse de Ex Machina, no maior estilo daquelas sinopses que há pouco tempo eram moda no Twitter, seria algo assim: “Homem ignora Leis da Robótica de Asimov e se dá mal.”

12 comentários:

  1. Você é uma das únicas pessoas que eu conheço que consegue cumprir esse desafio direitinho KKKK Eu nem comecei ainda _0_ Mas enfim, foco, força e fé! KKKKKKK Voltando ao post, eu quero MUITO, mas muito ver esse filme. Já vi três resenhas ótimas sobre ele ultimamente, e a temática é do tipo que me conquista. A premissa parece muito boa, vou procurar para assistir o quanto antes! Um beijo : *

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha, ano passado eu também comecei com tudo em dia, aí chegou no final me enrolei toda com as datas de publicação, haha. Mas esse ano eu espero que dê tudo certo! E vê Ex Machina sim, via todo mundo elogiando também, aí fui assistir e adorei. :D

      Beijos!

      Excluir
  2. Juro que não conhecia esse filme ainda. Achei ele meio bizarro? Achei. O que fez eu me interessar ainda mais. Fiquei curioso para saber qual é esse final "previsível" que você comentou, aposto que eu não acharia previsível, dificilmente eu acerto com minhas teorias ueheueheu

    Abraços,

    Blog Decidindo-se \o/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha, não posso negar que é meio bizarro mesmo, tem umas cenas em que você fica "mas hein?", hahaha. Mas assiste, é legal! :D E o final me surpreendeu, mas depois que eu juntei todas as "evidências" eu fiquei pensando que só eu devo ter me surpreendido, haha.

      Beijos!

      Excluir
  3. Não conhecia esse filme, mas achei bem interessante. Acho que vou colocar na listinha para assistir com o boy. Adorei a resenha! Um beijo ♡

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Assiste sim, é bem interessante mesmo! :)
      Beijos!

      Excluir
  4. Parece ser fantástico, estou querendo ver esse filme já faz um tempo, depois da sua resenha me deu mais vontade ainda.

    Beijos
    http://orangelily.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Sempre tenho esse pensamento quanto à inteligência artificial: "isso vai dar merd#$". Mas fiquei bem curiosa para ver apesar de ainda sentir aflição de A.I. e do Eu, Robô!
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esses filmes dão aflição mesmo, haha. E nesses casos, não confiaria muito em um robô não...

      Beijos!

      Excluir
  6. Acho que nunca me interesseii muito por filmes com inteligência artificial, sempre me pareceu ter a mesma abordagem. Como você falou "ah tem robôs e OK". Mas esse parece ser diferente. Vou assistir!

    Beijos, Le.

    refracaocultural.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, achei diferente porque não é um filme com robôs, é um filme sobre robôs, haha.
      Assiste sim! :)

      Beijos!

      Excluir