28.1.16

As Crônicas Lunares


Só tenho falado de livros aqui ultimamente, mas vão ter que me perdoar, porque acabei de ler o último dessa série, que é uma das minhas favoritas e ela precisa de mais amor – e eu de mais gente com quem comentar, então esse post é sobre As Crônicas Lunares, da Marissa Meyer.
  


Antes de falar de cada um dos livros, acho que devo explicar um pouco a trama geral da quadrilogia:
A Terra apresentada nos livros é bem diferente da que estamos acostumados. Os países talvez sejam familiares, mas por exemplo, a Ásia, que é um grande destaque na série, agora é a Comunidade Oriental, comandada por um imperador que reside na capital Nova Pequim. A tecnologia também está bastante avançada, com androides, ciborgues e chips de identidade fazendo parte do cotidiano.
E talvez as coisas fossem estar mais tranquilas para o Imperador se a Terra não tivesse dois grandes problemas…O primeiro é a Letumose, doença contagiosa e sem cura que se espalhou pelo mundo, matando milhares. E o segundo é Luna, o reino na lua, que possui uma população com uma habilidade peculiar – a de manipular outras pessoas, como se elas não passassem de fantoches. Além disso, a rainha lunar, Levana, é bastante cruel – rumores dizem que ela matou a própria sobrinha para poder chegar ao trono – e vem ameaçando a Terra com a possibilidade de uma guerra constantemente. Muitos mantêm a esperança de que a Princesa Selene possa ter sobrevivido e que irá acabar com o reinado de Levana… Mas será que isso é realmente possível?

Mas quando comecei a ler não foi essa sinopse que eu encontrei. O que me atraiu foi a combinação releitura de contos de fadas + sci-fi. Eu não precisava saber de mais nada, já que adoro releituras, mais do que os próprios contos de fada em si – e a Cinderela é ciborgue, gente, precisa de mais motivo?! Enfim, cada livro, como fica meio óbvio pela capa, é baseado em um conto de fada: Cinder – Cinderela, Scarlet – Chapeuzinho Vermelho, Cress – Rapunzel e Winter – Branca de Neve.

E acho que deve parece bem complicado agora, mas eu juro que tudo faz sentido! A cada livro a Marissa Meyer vai acrescentando os personagens e, apesar de cada um ter a sua linha narrativa de acordo com o conto de fada, todos eles estão ligados entre si por meio da história principal.

Também não posso deixar de negar que a história é um pouco prevísivel. É fácil de encaixar as peças, mas pra mim isso não deixou as coisas desinteressantes, já que eu ficava aguardando ansiosamente pelo momento em que os personagens fariam as mesmas descobertas que eu. Além disso, tem os elementos dos contos de fada, que já são conhecidos e contribuem pra essa previsibilidade, mas eu achei que a autora conseguiu trabalhar com eles muito bem dentro desse universo que ela criou. :)


E os personagens! Fica até difícil falar de qual que eu gosto mais… A Cinder se preocupa muito com os outros, mas eu adoro que ela é toda sarcástica e tem noção de que certas coisas não são culpa dela – como ser ciborgue. A Scarlet é teimosa e impulsiva, o tipo de mocinha que é toda “eu não só posso, como vou resolver as coisas”. A Cress é uma fofa – tendo passado anos isolada, ela é sonhadora, mas acaba descobrindo que a realidade pode ser bem diferente, haha. E a Winter é gentil, tão gentil que se recusa a usar seu poder. Isso que não falei dos “príncipes”, que também são ótimos! E esses personagens vão amadurecendo ao longo dos livros, o que me faz gostar ainda mais deles. Ah, e uma coisa que me deixa feliz é que tem diversidade, não é todo mundo branco!

Não é péssimo quando você já tem toda a situação e diálogo prontos
e a pessoa simplesmente não colabora?

E para ir encerrando esse post enorme… A série ainda tem mais dois livros, Fairest e Stars Above. Fairest é a história da Rainha Levana, e já falei um pouco dele aqui. Stars Above é uma coletânea de contos, alguns que já foram lançados durante a publicação da quadrilogia – como The Little Android, que é baseado n’A Pequena Sereia – outros que são exclusivos desse livro, além do epilógo de Winter.

Eu li todos em inglês, porque sou muito ansiosa e esperar as datas de publicação originais já era muito difícil, haha. Mas dei umas olhadas na ~versão brasileira~ (principalmente pra esse post), e parece estar tudo ok. No Brasil, a série é publicada pela Editora Rocco e até o momento, o último livro a ser lançado foi Cress. :) 

4 comentários:

  1. Ei Bia, passei aqui para te agradecer pela visita lá no Mesa e te convidar para passar por lá mais vezes e eis que eu encontro um post seu, falando justamente das Crônicas Lunares. hahaha. É a minha mais nova piração também! Acho que você não deve saber, mas fiz a minha monografia de TCC sobre Contos de Fada e teorias do contemporâneo na cultura pop. Na época (2012) eu falei sobre Once Upon a Time, mas se fosse fazer hoje em dia, com certeza faria sobre as Crônicas.
    O que eu acho mais interessante nessa série, é o fato de que os personagens vão te conquistando com cuidado. Apesar das peças serem óbvias, como você mesma disse, a Marissa constroi um terreno riquíssimo, de possibilidades e referências muito bem articuladas. Fiquei curiosa para ler a história da Levana, no livro Fairest.
    Vou te fazer um convite: já que você está na vibe literária, vem conhecer o Diamante da Lua. Uma história que eu estou escrevendo ;) aqui: http://poranacasouza.blogspot.com.br/2015/07/diamante-da-lua.html
    depois cê me conta o que achou.

    beijo grande!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ana! Eu lembro de ter surtado lá no seu blog, porque "alguém que gosta das Crônicas Lunares ♥ ♥", haha. Imagino que esse seu TCC deva ter ficado muito interessante! Achei Fairest bem legal, espero que seja publicado aqui no Brasil também. E pode deixar que vou dar uma olhada na sua história sim :D Já salvei o link!

      Beijos!

      Excluir
  2. Ultimamente todo mundo tem falado desses livros e apesar de eu não ser fã de releituras, estou bem curiosa para saber como ficou a história toda. Até porque é sci-fi e conto de fadas, poderia ter uma combinação mais perfeita?

    Beijos, Le.

    refracaocultural.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dá uma chance, Le, a Marissa Meyer deixou bem interessante essa mistura de contos de fadas com a própria história dela! Espero que você goste. :)

      Beijos!

      Excluir