16.11.15

Reading Challenge 35/50


   Um livro com mágica

Princesa Mecânica – Cassandra Clare

Sobre o que é: Continuação de Príncipe Mecânico. A busca por Mortmain continua, e Tessa, agora noiva de Jem, continua tentando afastar seus sentimentos por Will.

O que eu achei: Se eu tinha amado Príncipe Mecânico, esse só veio pra consolidar meu amor por essa trilogia! Ainda acho que a Cassandra Clare acertou nesse triângulo amoroso – que era realmente um triângulo, pois todos os envolvidos se amavam (ainda que amor de irmão, como o que o Will e o Jem sentiam um pelo outro), o que me fazia sofrer com eles! De novo, senti como se a velocidade em que eu lia fosse muito lenta pra vontade que eu tinha de já descobrir as coisas. Gostei bastante do desfecho – a autora juntou todas as peças (rs) e respondeu as perguntas que eu tinha, foi ótimo descobrir mais sobre a Tessa e sobre o vilão. Foi o que eu esperava, e eu fiquei bastante feliz com o final, inclusive com o epílogo. Estou com mais vontade de ler Os Instrumentos Mortais e também as outras séries que a Cassandra irá lançar nesse mesmo universo.


   Um livro engraçado

O Projeto Rosie – Graeme Simsion

Sobre o que é: Don Tillman, professor de genética, gosta de seguir sua rotina a risca – ele tem um cardápio semanal definido, assim como tempo para limpar o banheiro, ir a feira, praticar aikido… Don também tem poucos amigos, já que socializar não é bem seu forte. Além disso, ele gosta de montar projetos, e é com isso que surge o Projeto Esposa, planejado para achar a companheira ideal. Só que as coisas mudam quando Rosie aparece, e ela não é uma candidata ideal para esposa…

O que eu achei: Don tem Síndrome de Asperger, embora ele não saiba disso. Por causa disso, ele tem um comportamento diferente. Eu gostei bastante da narrativa ser no ponto de vista dele, o que me fez “entrar” na cabeça do personagem e entender sua forma de pensar – e não é que ás vezes eu acha que ele tinha razão? E tem algumas partes bem engraçadas mesmo! Mas confesso que me partiu o coração quando o personagem fala do bullying que sofria. </3 A Rosie é ótima, completamente fora do que Don queria para o Projeto Esposa, e é por isso que a relação dos dois é ótima. Achei o final um pouco corrido, mas simplesmente adorei o Don e quero ler logo a continuação, The Rosie Effect.



   Um livro com antônimos no título

Os Homens Que Não Amavam As Mulheres – Stieg Larsson

Sobre o que é: Mikael Blomkvist é contratado por Henrik Vanger para solucionar um caso – sua sobrinha, Harriet Vanger, há 40 anos sumiu da ilha onde estavam apenas os membros da família. Desde então, Henrik continua recebendo uma flor emoldurada, o mesmo presente que Harriet costumava lhe dar todos anos. Com ajuda de Lisbeth Salander – uma hacker ótima em obter dados – Mikael começa a descobrir os segredos dos Vanger…

O que eu achei: Eu acabei gostando desse livro muito mais do que eu achei que fosse gostar. Os protagonistas, Mikael e Lisbeth, são fantásticos, principalmente a última. Não quis largá-los ao chegar no final do livro, haha. Gostei do mistério da Harriet, ainda que em alguns casos eu tenha desvendado partes dele antes dos personagens. A história fez jus ao título, e em certas partes me deu até uma aflição pela violência descrita que as mulheres sofriam. Outras partes menos incômodas, mas que não foram totalmente amor quanto ao resto do livro são: a parte sobre economia – achei muito específica, é logo no começo do livro, o que me fez demorar engrenar na leitura já que eu não estava entendendo muita coisa (mas não, isso não prejudica o entendimento do resto); e a descrição excessiva que o autor faz de tudo, das ações dos personagens, das marcas dos produtos que eles consomem, etc. (mas não, não chega a ser tão chato). Apesar disso tudo, como já disse, adorei a leitura e os personagens. Fui correndo ver o filme também, e estou querendo ler os outros antes de ver as adaptações suecas. Recomendo!


   Um livro que se passa no futuro

Jogador Nº 1 – Ernest Cline

Sobre o que é: Em 2044, o OASIS é o escape da população – planejado para ser um jogo, se tornou mais do que isso, é uma realidade virtual onde todos vivem com seus avatares, fazendo de tudo, desde realmente jogar até frequentar escolas. O mundo é agitado quando James Halliday, o criador do OASIS, morre. Antes disso, ele planejou toda uma caçada por easter eggs espalhados no seu jogo, e quem os encontrá-los, herdará toda sua fortuna. Wade Watts, um garoto pobre que mora com sua tia, não ficará de fora da caçada.

O que eu achei: Que livro maravilhoso!! Como James Halliday cresceu nos anos 80 e a caçada era baseada em fatos da sua infância, o livro é repleto de referências a essa década. Eu gosto bastante dos filmes e músicas dos anos 80, então eu ficava muito feliz ao entender uma referência! (Imagino como não deve ser para quem é dessa época…) Além disso, adorava as descrições do Oasis, dava muita vontade de jogar! Mas ao mesmo tempo ficava com aquilo de “Nossa, mas olha como está o mundo!”, já que as relações humanas foram muito prejudicadas. Os personagens, Parzival (o nome do avatar do Wade),  Art3mis e Aech, são muito bons e eu ficava torcendo para eles. Os vilões eram uma ameaça bastante assustadora – já que possuiam muito poder – e quase no final aconteceu aquilo de novo, de a velocidade que eu estava lendo não ser o suficiente pra vontade que eu estava de descobrir as coisas. Ler esse livro foi quase como assistir um gameplay! Gostei muito mesmo e aguardo um possível filme. :)


   Um livro baseado em uma história real

A Febre – Megan Abbott

Sobre o que é: Lise, uma menina de 16 anos, é a primeira a sofrer uma convulsão. Após ela, Gabby, uma de suas melhores amigas, também tem um ataque. Depois disso, outras garotas da mesma escola começam a ser afetadas. O motivo é desconhecido e várias hipóteses são levantadas – seria a vacina de HPV? – deixando a todos em pânico.

O que eu achei: A Febre foi inspirado por uma história real, conforme li no site da Intrínseca. Evitei de ler o artigo antes, porque não queria spoiler do motivo, mas é estranho pensar que isso aconteceu de verdade, que várias meninas sofreram esses ataques e tiques. O livro levanta algumas hipóteses pra isso estar acontecendo, o que foi o principal motivo para eu continuar a leitura. O destaque fica com uma família – Deenie, a melhor amiga de Lise e Gabby;  Eli, seu irmão que também está no Ensino Médio, e seu pai Tom, que é professor na mesma escola. É um livro curto, e apesar de eu ter gostado dos personagens e ter me interessado pela vida deles, ainda achei que foi meio arrastado quanto ao motivo principal, a tal febre. Ficava focando muito no drama de Deenie, nos ciúmes que ela sentia das amigas, nos segredos que ela escondia… Tudo isso para chegar ao final e eu me decepcionar um pouco. Sei que foi a explicação real para o que aconteceu com as meninas, mas eu fiquei esperando mais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário