17.5.15

A Última Casa da Rua


  24 filmes para 2015Tema: Terror


Dispostas a conquistar uma nova vida, a jovem Elissa (Jennifer Lawrence) e sua mãe Sarah (Elisabeth Shue), que se separou recentemente, se mudam para uma grande casa em uma nova cidade. O negócio só foi possível porque o imóvel vizinho ao delas foi palco de um duplo assassinato e assim o aluguel ficou mais baixo. Mas tudo na vida tem um preço e quando Elissa começa a se relacionar com Ryan (Max Thieriot), o único sobrevivente da família assassinada, as coisas começam a mudar radicalmente, trazendo à tona problemas entre mãe e filha, além de conflitos com os vizinhos da região, que acabam envolvendo também a polícia local.

Esse é um dos filmes onde o final tem o poder de mudar sua opinião sobre ele.

Os comentários que eu li antes de ver não eram os melhores, mas eu decidi assistir mesmo assim. E logo no começo, comecei a concordar com alguns deles: o suspense era fraco.

Apesar de já ter toda a base clichê das histórias de terror – “aconteceu alguma coisa na casa (ou vizinhança, no caso), e só por isso podemos morar aqui!” – o filme passa muito tempo mostrando a vida da Elissa: a estranheza da mudança, os desentendimentos com a mãe, a adaptação a nova escola, etc. O que me prendeu na verdade foi a história do Ryan, que apesar de ser algo previsível nesse ponto do filme, me deixou curiosa para saber o desfecho.

E então, depois de muito “ué, cadê o suspense?” chegamos ao final! Fiquei tão feliz quando fiz a conexão entre uma cena e outra – o que não era tão difícil de ver, mas também não era tão óbvio. Esse foi o ponto em que o filme mostra que tudo que o você pensou antes não era verdade. A virada não foi genial, mas eu achei muito boa! Me surpreendeu bastante.

O talvez “terror” do filme só se mostra nessa última parte. Não é nada muito aterrorizante, me deu aflição porque acaba virando uma perseguição e eu estava temendo pela Elissa, haha. Mas nada de sobrenatural – como eu achei que teria no começo.    

Quando se pensa que tudo já foi resolvido, a última cena vem pra amarrar todas as pontas. Essa foi a que me deu mais medo. Não porque me deu um susto ou algo assim, mas sim porque não consigo desconsiderar que algo assim possa acontecer no “mundo real”. E acho que essa é uma das piores coisas.

Minha conclusão é que eu gostei do filme. Não estava esperando nada, e por isso fui surpreendida. Talvez enrolaria menos com toda a história da Elissa/a mudança/a mãe/etc que não me atraiu muito. Se não tiver nada pra ver, aproveita que o filme está na Netflix e assista, haha.

casa2

4 comentários:

  1. Esse filme quase bugou meu cérebro da primeira vez que vi! Mas eu gostei demais! É aquele tipo de filme que você acha que é uma coisa, mas que acontecem reviravoltas loucas que mudam completamente sua percepção. Adorei a resenha! Um beijo : *

    fleurdelune.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu pensei umas três coisas diferentes antes de chegar no final e ser surpreendida! Gostei bastante só por causa disso!

      Beijos!

      Excluir
  2. Wow! Ainda não assisti, dica anotada!!!

    ResponderExcluir